segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Novo livro da Coleção Marx e Engels, da Boitermpo Editorial

Os despossuídos
debates sobre a lei referente ao furto de madeira
Karl Marx
Coleção Marx e Engels
Boitermpo Editorial
2017

A obra reúne artigos de Karl Marx que, já em 1842, tratavam do direito sobre o uso da terra, uma questão fundamental (embora cercada de polêmicas) comum às grandes experiências socialistas.

É imbuído da noção de que o primeiro roubo se dá com a primeira apropriação privada que Marx, à época um jovem de 24 anos, recém-doutorado em filosofia na Universidade de Jena, iniciou suas colaborações ao periódico Gazeta Renana, do qual mais tarde se tornaria redator. Essa primeira série de artigos tratava da análise crítica das discussões ocorridas na Sexta Assembleia Provincial Renana, no ano de 1841, e levantava temas como o direito à propriedade, a liberdade de imprensa e as questões judiciais acerca da problemática gerada pela instauração de uma lógica capitalista onde antes o que regia era um direito consuetudinário.

“A relação entre Marx e o direito é das mais controversas, no entanto é biograficamente constitutiva do pensamento do revolucionário alemão. Nos ‘Debates sobre a lei referente ao furto de madeira’, de 1842, Marx se encontra pela primeira vez, como ele mesmo diz, com os ‘interesses materiais’. Apesar de sua crítica à economia política ainda não ter sido construída, já aparecem, de forma embrionária, expressões como ‘valor’ e ‘mais-valor’, assim como o problema da mercadorização da natureza, da vida e do trabalho”, afirma Ricardo Prestes Pazello, professor de sociologia e antropologia do direito na Universidade Federal do Paraná.

Este volume – o vigésimo primeiro título da coleção Marx Engels, que desde 1995 vem publicando, em traduções diretas do idioma original, os trabalhos mais importantes dos filósofos alemães – tem por inspiração o livro Les dépossédés: Karl Marx, les voleurs de bois et le droit des pauvres [Os despossuídos: Karl Marx, os ladrões de madeira e o direito dos pobres], de autoria de Daniel Bensaïd, trazendo, inclusive, o texto completo do filósofo francês, o qual atualiza o debate com a inclusão da temática das privatizações e da globalização.

A diferença entre os dois volumes é que aqui se optou por incluir os artigos completos de Marx, até agora inéditos em português, ao passo que a edição francesa continha apenas alguns trechos selecionados destes. Traduzido por Nélio Schneider, o texto de Karl Marx tem como base a edição de 1982 da MEGA-2.

Trechos do livro

"O verdadeiro legislador não pode temer nada além da injustiça, mas o interesse legislador só conhece o temor diante das consequências do direito, o temor diante dos vilões contra os quais há leis. A crueldade é o caráter das leis ditadas pela covardia, pois a covardia só consegue ser enérgica sendo cruel. O interesse privado, no entanto, sempre é covarde, porque seu coração, sua alma, é um objeto exterior que sempre pode ser tirado dele e danificado, e quem não treme diante do perigo de perder o coração e a alma? Como poderia agir com humanidade o legislador movido por seu próprio interesse, dado que o inumano, um ser material estranho, é seu ser supremo?" – Karl Marx.

"Nesse momento de globalização mercantil e privatização generalizada do mundo, os artigos de Marx sobre o furto de madeira são de uma atualidade perturbadora. A compra da força de trabalho de outrem estabelece uma relação de apropriação/expropriação não apenas dessa força de trabalho, mas também dos serviços públicos, da poupança popular, do consumo, dos corpos exibidos em espetáculo, do espaço entregue à especulação fundiária e imobiliária. A privatização atinge não só as empresas públicas, como também a educação, a informação, o direito (pela generalização do contrato privado, em detrimento da lei comum), a moeda, os saberes, a violência, em resumo, o espaço público em seu conjunto." – Daniel Bensaïd.

FONTE: Boitempo



quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Los caminos de la lucha y las enseñanzas de Fidel


Por Fernando Martínez Heredia

Fernando Martínez Heredia en el 12 Taller Internacional sobre Paradigmas Emancipatorios en América Latina y el Caribe. Foto: @JuventudRebelde.

“Las revoluciones que amamos y por las que estamos dispuestos a todo son las iniciativas más audaces y arriesgadas de los seres humanos, que pretenden transformaciones prodigiosas, liberadoras de las personas y de las relaciones sociales, a tal grado que nunca más quieran ni puedan volver a vivir su vida en sociedades de dominación y violencia”, dijo el filósofo y ensayista cubano Fernando Martínez Heredia hoy en el Pabellón Cuba de La Habana.

Esta mañana, delegados de 23 países asistieron complacidos a la conferencia “Las claves del imperialismo y el anti-capitalismo hoy; las visiones de Fidel Castro en los nuevos escenarios de lucha”, impartida por el también director del Instituto de Investigaciones Juan Marinello, en el 12 Taller Internacional sobre Paradigmas Emancipatorios en América Latina y el Caribe.

“Hoy que vamos a compartir acerca de los caminos de la lucha, porque lo verdadero son las luchas, es natural comenzar con la ayuda de Fidel y emular con sus ideas y sus actos para sacarles provecho, no imitándolos, sino traduciéndolo a nuestras necesidades y acciones”, dijo el intelectual cubano.

Martínez Heredia recalcó: “Fidel brinda un gran número de enseñanzas tanto para el individuo como para las luchas sociales”. Exponerlas todas es quimérico, de ahí que el profesor prefirió enumerar aquellas imprescindibles para los luchan por crear personas y realidades nuevas:

“Primero, partir de lo imposible y de lo impensable para convertirlo en posibilidades mediante la práctica consciente y organizada y el pensamiento crítico, conducir esas posibilidades actuantes hacia la victoria (…); segundo, no aceptar jamás la derrota, porque Fidel jamás la aceptó”.

El ensayista también habló de la determinación personal del Comandante en Jefe de luchar en todas las situaciones, de su capacidad de organizar, “una constante, una fiebre en Fidel”, apuntó.

Asimismo, abordó dimensiones básicas de la grandeza del líder cubano: la comunicación siempre con cada ser humano y con las masas, en lo cotidiano y en lo trascendente; utilizar tácticas muy creativas y estrategias impensables y sin embargo, factibles; luchar por el poder y conquistarlo; enseñar y aprender al mismo tiempo con los sectores del pueblo; unir la liberación nacional a la Revolución socialista y ser siempre un educador, hacer educación a escala del pueblo.

Así, el filósofo cubano estimuló a los miembros de los movimientos populares de la región a estudiar en profundidad el legado de Fidel como manual de vida, pensamiento y acción de la lucha emancipatoria.

“En las revoluciones verdaderas no hay coyunturas fáciles”, insistió. Sin embargo, no hay por qué desanimarse, porque el campo popular ya tiene mucho a su favor y habrá que hacer todo lo posible para que no sea derrotado, “sería suicida un retroceso”.

Insistió en que los movimientos sociales deben incluir el antiimperialismo como una política permanente en sus agendas, para hacer frente a la ofensiva del capitalismo, cuya guerra cultural intenta crear una masa idiotizada, fácil de dominar.

“La cultura es una forma de enriquecer a las personas y al pueblo”, aseguró Martínez Heredia. Reforzar los ideales, convicciones y saberes solidarios de quienes están en pie de lucha por la justicia y el bien común es una necesidad.

“La radicalización de los procesos deberá ser una tendencia imprescindible para la propia sobrevivencia. Serían suicidas los retrocesos y las concesiones desarmantes frente a un enemigo que sabe ser implacable. Lo principal es que los movimientos, los poderes y los líderes prestigiosos y audaces solo podrán conducir las fuerzas populares y tener la opción de vencer si ponen la liberación efectiva de los pueblos del capitalismo en la balanza.

“Las políticas revolucionarias no pueden conformarse con ser alternativas, sino aspirar a convertirse en procesos de emancipación humana y social. Parece mucha ambición, pero es lo único factible”, concluyó.

FUENTE: CubaDebate

Para download: obra completa de Lima Barreto

Lima Barreto – o rebelde imprescindível

Mais conhecido por seu livro “Triste fim de Policarpo Quaresma”, o escritor Lima Barreto registrou em sua arte literária o que tinha diante dos olhos: elementos autênticos da realidade brasileira expostos as intensas transformações do início do século XX.

Link para download:


Marxismo : 500 Libros para descargar (PDF)

LINK PARA DESCARGAR
http://laberintosdeltiempo.blogspot.com.br/2017/01/marxismo-500-libros-para-descargar-pdf.html


segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Libro digital: "La sistematización de experiencias: un método para impulsar procesos emancipadores" por William Capó & otros

 Apuntes de la Cooperativa Centro de Estudios para la Educación Popular - Cepep

Cuanto más pienso críticamente, rigurosamente, la
práctica de la que participo o la práctica de otros,
tanto más tengo la posibilidad: primero de comprender
la razón de ser de la propia práctica, segundo, por
eso mismo, me voy volviendo capaz de tener una
práctica mejor.
Paulo Freire, La educación en la ciudad


Los filósofos no han hecho más que interpretar de
diversos modos el mundo, pero de lo que se trata es
de transformarlo.
Carlos Marx, Tesis sobre Feuerbach


Esta publicación representa un esfuerzo de nuestro colectivo por aportar aspectos teóricos y metodológicos, que desde la perspectiva crítica transformadora hagan de este método, una herramienta consistente y útil, para impulsar procesos de cambio y apropiación social de conocimientos; ofreciendo una visión holística, integrada, sistémica, dinámica, creativa, dialéctica y flexible, de los momentos del proceso de sistematización de experiencias, que garanticen los propósitos inherentes a éste, tales como, aprender, producir conocimientos, construir propuestas transformadoras y socializar los resultados.

LINK PARA DOWNLOAD:


sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Ken Loach: “O Estado cria a ilusão de que, se você é pobre, a culpa é sua”

Aos 80 anos, cineasta inglês estreia "Eu, Daniel Blake", o filme que lhe rendeu a segunda Palma de Ouro

POR PABLO GUIMÓNL, El País, ondres 5 jan 2017 

O diretor Ken Loach em Londres.
O filme Eu, Daniel Blake, que estreia nesta quinta-feira nos cinemas do Brasil, é a história de um homem bom abandonado por um sistema mau. Um trabalhador honrado sofre um ataque do coração que o condena ao repouso. Sem renda, solicita apoio do Estado e se vê enroscado em uma cruel espiral burocrática. Esperas absurdas ao telefone, entrevistas humilhantes, formulários estúpidos, funcionários desprovidos de empatia por causa do sistema. Kafka nos anos de austeridade. Nessa espiral desumanizadora Daniel encontra Katie, mãe solteira de dois filhos, obrigada a se mudar para Newcastle porque o sistema diz que não há lugar para alojá-los em Londres, uma cidade com 10.000 moradias vazias. Daniel se torna um pai para Katie e um avô para as crianças. A humanidade que demonstram realça a indignidade do monstro que os condena. Aí está, como terão reconhecido seus fiéis, o toque de Ken Loach.

Seu cinema sempre esteve do lado dos menos favorecidos e, aos 80 anos, a realidade continua lhe dando argumentos para permanecer atrás das câmeras. Eu, Daniel Blake, Palma de Ouro no último festival de Cannes (a segunda de Loach), é um filme espartano. Não precisa de piruetas para comover. A história foi escrita pelo amigo e roteirista Paul Laverty, depois de percorrer bancos de alimentos, centros de emprego e outros cenários trágicos do Reino Unido de hoje, onde conheceu muitos daniels e katies. A realidade de Loach (Nuneaton, 1936) está lá fora para quem quiser vê-la. Mas, em um mundo imune aos dados, a emoção que o cineasta mobiliza para contar essa realidade se revela mais valiosa que nunca. Recebe o EL PAÍS em seu escritório no Soho londrino.


Pergunta. Como chegamos à situação que seu filme descreve?

Resposta. É um processo inevitável, é a forma como o capitalismo se desenvolveu. As grandes corporações dominam a economia e isso cria uma grande leva de pessoas pobres. O Estado deve apoiá-las, mas não quer ou não tem recursos. Por isso cria a ilusão de que, se você é pobre, a culpa é sua. Porque você não preencheu seu currículo direito ou chegou tarde a uma entrevista. Montam um sistema burocrático que te pune por ser pobre. A humilhação é um elemento-chave na pobreza. Rouba a sua dignidade e a sua autoestima. E o Estado contribui para a humilhação com toda essa burocracia estúpida.

P. Abandonar os mais desfavorecidos é uma escolha política?

R. É uma escolha política nascida das demandas do capital. Se os pobres não aceitassem que a pobreza é sua culpa, poderia haver um movimento para desafiar o sistema econômico. Os meios de comunicação falam de gente folgada, de viciados, de pessoas que têm muitos filhos, que compram televisores grandes… Sempre encontram histórias para culpar os pobres ou os migrantes. É uma forma de demonizar a pobreza. Neste inverno, muitas famílias terão de escolher entre comer e se esquentar. Existe uma determinação da direita para não falar dessas coisas e é assustador tolerarmos isso.

P. A situação lembra Cathy Come Home, seu filme de 1966 sobre uma família jovem que está na rua. O que mudou em 50 anos?

R. Agora é pior. Naquela época, os elementos do Estado de bem-estar ainda funcionavam, agora não. A sociedade, hoje, não está tão coesa. Acontece em toda a Europa. O sistema se tornou pior porque o processo capitalista avança.

P. As histórias humanas são seu veículo para articular mensagens políticas?

R. Todas as histórias humanas são políticas. Têm consequências políticas. Nem Katie nem Dan são animais políticos. Não fazem discursos, não participam de reuniões. Mas a situação em que se encontram é determinada pela política. É preciso haver indivíduos. Não vale alguém que represente algo. Devem ser idiossincrásicos. Devem ser pessoas com coisas particulares que as tornem especiais.

P. Todo o cinema é político?

R. O cinema norte-americano cultua a riqueza. Os personagens têm dinheiro e casas bonitas. E nunca se explica de onde vem esse dinheiro. Todos parecem muito saudáveis, têm corpos perfeitos. O subtexto é que a riqueza é boa, que o privilégio é bom. Além de outras mensagens, como que o homem com um revólver resolverá todos os seus problemas. Há uma agenda de direita no cinema norte-americano. Com exceção de Chaplin, claro. Seus filmes contêm uma certa política radical, a do homem pequeno que vence.

P. Você apoia Jeremy Corbyn, o polêmico líder trabalhista. Acredita que seu projeto de esquerda poderia mudar a realidade descrita em seu filme?

R. Sim, sou otimista. Sanders, Podemos, Syriza... Existe uma sensação de que outro mundo é possível. A ascensão de Corbyn traz muita esperança, mas é sistematicamente atacada por toda a imprensa, pela BBC, e até pelos jornais de esquerda. É uma grande batalha, mas é muito popular entre as bases.

P. Acontece com frequência, como seu país demonstrou, que as mensagens populistas e xenófobas atraiam os mais desfavorecidos.

R. Oferecem uma resposta simples: os imigrantes roubaram seu trabalho. É igual ao crescimento do fascismo nos anos 1930. É fácil apontar o diferente. As pessoas são sempre vulneráveis às respostas simples. A esquerda tem uma resposta mais complicada.

P. O que pensa quando ouve Theresa May dizer que os conservadores são o partido da classe trabalhadora?

R. Seria uma piada, não fosse o fato de que ninguém a questiona. É um Governo que utiliza a fome como arma, que deixa as pessoas passarem fome para discipliná-las. É propaganda.

P. Insinuou que Jimmy’s Hall (2014) seria seu último filme, mas voltou e ganhou a Palma de Ouro. Desta vez é para valer?

R. Não sei. Como no futebol, jogaremos uma partida de cada vez. Há muitas histórias para contar, mas, fisicamente, o cinema é muito exigente.

P. Como gostaria de ser lembrado?

R. Como alguém que não se rendeu, acho. Não se render é importante, porque a luta continua. E as pessoas tendem a se render quando ficam velhas.

FONTE: El País

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Camarada Luiz Carlos Prestes, presente!!!!!!!!

3 de janeiro de 2017
119 anos de nascimento do Cavaleiro da Esperança

Acesse o site do Instituto Luiz Carlos Prestes para conhecer o acervo documental relacionado a Luiz Carlos Prestes, que tem por finalidade contribuir a pesquisa do seu legado histórico.

Leia abaixo um trecho do texto "Luiz Carlos Prestes, uma história a ser contada: por ocasião dos 24 anos de sua morte", escrito por Marcos Cesar de Oliveira Pinheiro

Queiram ou não os seus adversários e críticos de plantão, a ausência física de Luiz Carlos Prestes não nos impede de falar de legados políticos, entendidos como um conjunto de valores e princípios de modo a formar uma cultura política. Dos pilares dessa cultura política, o historiador Lincoln de Abreu Penna enumera três, ao participar do Seminário "Prestes - 20 anos sem o Cavaleiro da Esperança", realizado pela UFRJ, em setembro de 2010: o repúdio às injustiças sociais e a luta para superá-las; o primado do altruísmo, da solidariedade, sobre o individualismo; a vontade política voltada às transformações como motivação das ações na vida pública. Sobre eles, Lincoln traça os seguintes comentários:

O primeiro pilar esteve presente no engajamento de Prestes quando ainda jovem oficial do exército. Revoltou-se e liderou ao longo da década de vinte o movimento tenentista;O segundo acompanhou toda a sua trajetória de vida. O altruísmo e a solidariedade aos companheiros e aos segmentos sociais ligados ao mundo do trabalho sempre deixaram em segundo plano eventuais desejos individuais;E no que se refere ao terceiro pilar, a postura revolucionária o levou a trilhar uma das mais destacadas vidas no campo das lutas em defesa do ideário socialista;É por essa razão que a esperança foi intensamente representada pela figura do seu Cavaleiro, a percorrer o Brasil de Norte a Sul, de Leste à Oeste, levando a bandeira da libertação.

O historiador Lincoln Penna, conclui afirmando que de Prestes devemos guardar alguns princípios e ensinamentos:

O princípio da coerência ideológica;O ensinamento de que o compromisso com a causa da revolução supera os eventuais interesses individuais;O princípio e o ensinamento do dever cívico, que passa pela defesa da soberania nacional e do internacionalismo;A integridade moral diante das adversidades;A capacidade de contrariar maiorias, tendências dominantes, em nome da determinação da luta.

Nesse sentido deve ser entendida a seguinte afirmação: "Da mesma forma que Fidel Castro e os revolucionários cubanos se apoiaram na herança revolucionária de José Martí, a revolução brasileira não poderá avançar sem resgatar o legado de Luiz Carlos Prestes" (Prestes, Anita, Prestes, Anita. Os comunistas brasileiros (1945-1956/58): Luiz Carlos Prestes e a política do PCB. São Paulo: Brasiliense, 2010, p. 160). 

NÃO DEIXE DE LER A BIOGRAFIA "LUIZ CARLOS PRESTES: UM COMUNISTA BRASILEIRO", ESCRITA POR ANITA PRESTES E PUBLICADA PELA BOITEMPO EDITORIAL.